Juís Carlos Alexandre defende a liberalização do comércio das drogas


Foi com muito agrado que li no DN online que o juiz Carlos Alexandre defende a liberalização do comércio das drogas (pode ler o artigo aqui).

É que, desfrutando aquele Senhor da popularidade que sabemos e tendo a profissão que tem, pode ser que – finalmente – se comece a olhar para essa possibilidade com mais atenção.

Lamentavelmente, a maior parte das pessoas entende que se defendemos a liberalização do comércio das drogas é porque somos drogados ou  então queremos começar a usar drogas. Nada poderia estar mais errado, porém.

Liberalizando o comércio das drogas acabava-se com os chorudos rendimentos dos traficantes que fazem com que estes se disponham a correr todos os riscos e a desafiar permanentemente as autoridades para fornecer, a preços exorbitantes, os desgraçados que, não raras vezes arrastados para o vício por quem agora os explora, desesperadamente necessitam de mais uma dose.

Afinal, como bem aponta o juiz Carlos Alexandre e como eu próprio já referia em 2013, sem nenhuma originalidade, aliás, tantas vezes isto tem sido apontado (veja-se o meu artigo aqui), nem sequer iríamos fazer uma nova experiência. O que aconteceu nos Estados Unidos da América com a Lei Seca (tal como outras situações semelhantes), demonstrou o que aconteceria aos traficantes caso se legalizasse o comércio das drogas atualmente consideradas ilícitas: desapareceriam, pura e simplesmente.

Deixemo-nos de hipocrisias: estamos de acordo com a venda praticamente livre de álcool; estamos de acordo com a venda praticamente livre de tabaco; consentimos que se vendam nas farmácias produtos psicotrópicos muito mais potentes que muitas das drogas ilegalizadas mas, talvez porque fica mal defender uma opinião diversa, somos contra o comércio das drogas ilegalizadas.

Cada um tem a sua experiência de vida e conhece as realidades com que se defrontou. No que me diz respeito, conheço mais casos de pessoas que se degradaram com o consumo do álcool, algumas delas já falecidas devido a cirroses e outras doenças provocadas por essa droga, do que casos dos chamados “drogados”, embora, naturalmente, também conheça alguns verdadeiramente lamentáveis.

Ao abordar novamente este tema no meu blog – já é a terceira vez que o faço – peço-vos apenas que se disponham a pensar abertamente sobre este assunto, que leiam alguma informação sobre o mesmo – incluindo as opiniões de pessoas que sofreram pela morte de entes queridos arrastados para as drogas pelos traficantes – e que, por fim, perguntem a vocês próprios o que é mais sensato. Será que é continuar esta guerra invencível contra os traficantes, ou, pura e simplesmente, retirar-lhes a fonte de rendimentos que os enriquece, ao ponto de serem mais poderosos que a mais poderosa das polícias?

Eu já há muitos anos que não tenho quaisquer dúvidas.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Loja Lusa

Blog dedicado ao melhor de Portugal e dos produtos portugueses.

O Que Dizes Tu?!

Os olhos dizem o que as mãos pensam

The Fujifilm Blog

We love pictures, like you!

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

Desvio Colossal

Macroeconomia, Finanças Públicas & Economia portuguesa

Ilimitado

"Nunca se alcança objetivos com lágrimas"

No Reino da Dinamarca

Something is rotten in the State of Denmarke

Aventar

Expor ao vento. Arejar. Segurar pelas ventas. Farejar, pressentir, suspeitar. Chegar.

VAI E VEM

Não renunciarás à tua liberdade de expressão e de opinião

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: